terça-feira, 28 de julho de 2015

Eat Love - Motivação no treino!

 
Via Pinterest (Nike)

Qual a motivação que tenho para ir treinar? Ou para fazer exercício físico? De sair do conforto da minha casa (em especial do sofá) e ir “saltar” e “pular”? Deve existir uma resposta!
Como pessoa, tenho um objectivo na vida, tal como qualquer outra pessoa no mundo. E esse objectivo difere de pessoa para pessoa, mas o seu valor é sempre inalterável e todos queremos alcançar aquilo a que nos propomos…  Esse objectivo passa muitas vezes, por ter uma casa, um carro, casar, ser feliz, etc, etc…

Pois bem… Se tenho um objectivo na vida, em geral,  será que também devo ter um objectivo quando falo de exercício físico? Ou quando falo em sair do sofá para ir treinar? Sim! A resposta é SIM!

Vejamos:

Segundo Balaguer e Atienza (1994), a motivação é o desejo de iniciar e persistir numa actividade. É o “motor” de todos os nossos comportamentos. Sem motivação não há acção.
Para além de todos os benefícios que a prática desportiva regular trazem ao indivíduo, a mesma deve ter objectivos e/ou metas, como por exemplo: manter a forma física; ganhar massa muscular; tonificar; perder peso, entre outros. Todos temos um objectivo relativamente à nossa imagem e ao nosso bem-estar e mais importante do que ter esse objectivo, é manter o foco e ALCANÇÁ-LO!
Para isso, utilizamos a palavra “motivação”. Esta provém dos termos latins motus (“movido”) e motio (“movimento”), o que nos leva a encarar a motivação como uma acção, na qual temos de persistir até alcançar o objectivo pretendido. Assim, podemos afirmar que a motivação se encontra associada a uma vontade/desejo (objectivo) e ao esforço inerente para o alcançar.

Ter um amigo, um colega, um treinador que nos orienta, que nos dá ânimo e que nos dá coragem para continuar, resulta numa lufada de ar fresco, onde a realização da tarefa é executada com mais entusiasmo, com mais força e com mais vontade.

Posso dar-vos dois exemplos que me aconteceram à relativamente pouco tempo.

1-    Numa recente prova de atletismo pela cidade de Lisboa, uma das minhas alunas, sentiu o seu corpo ceder já perto do final...o cansaço era enorme e a vontade de desistir apoderava-se de si…do nada, surgiu uma rapariga do seu lado e gritou-lhe “BORA!” para continuar! Chegaram juntas ao final da prova!

Sei que sem este incentivo extra, teria sido muito mais penoso e difícil para ela alcançar a meta. No entanto, bastou uma simples palavra no momento chave que a fez juntar mais forças e terminar a prova.

2-    O último treino que fiz com essa mesma aluna, foi um circuito no sistema 20’’ + 10’’ ou seja, 20 segundos de trabalho e 10 segundos de pausa! Segundo ela, as palavras que mais usou foi “vou morrer”! Na verdade, conseguiu realizar 7 rondas de 4 exercícios! A motivação? Estava lá! Por nenhum momento a deixei desabar ou desistir. Os feedback’s técnicos surgiam, bem como as indicações de tempo. Os incentivos para ser mais rápida, mais forte e não baixar os braços foram as palavras de “ordem”. Vi a minha aluna fechar os olhos nos tempos de recuperação, ganhando a sua motivação intrínseca como se dissesse para ela mesma: “sou capaz” e foi mesmo capaz!

Motivação...e sem motivação, não há acção!